carnide

Carnide. Uma terra onde a população é quem mais ordena

 
carnideTodos as intervenções feitas no largo das Pimenteiras, na apresentação da lista da CDU de Carnide, tiveram uma ideia em comum: só é possível melhorar a vida numa autarquia, ouvindo e trabalhando com a população. E ouvir significa escutar a opinião dos outros e estar disposto para aceitar críticas e melhorar o trabalho. Se há algo que caracteriza a obra feita da CDU em Carnide é esta ideia de que são as populações que mandam em todos os instantes e que o poder local democrático fez-se para dar voz às pessoas.

 
O tom das intervenções começou a ser dado por Miguel Agrochão, eleito na Assembleia de Freguesia de Carnide, e a quem coube a condução da apresentação dos candidatos e do mandatário.
 
“É preciso ouvir as pessoas, escutar as suas críticas. Quem as faz já está a participar e ajudar no nosso trabalho”, disse, antes de apresentar a lista da CDU de Carnide, a qual se destaca pelo grande número de independentes.
 
A primeira intervenção política de fundo esteve a cargo do mandatário da candidatura da CDU na freguesia, Paulo Renato, que começou por saudar os presentes, com uma palavra especial para João Ferreira, que recordou: “esteve em todos os momentos ao lado da população de Carnide”.
 
Paulo Renato, dirigente associativo, autarca e morador no bairro da Horta Nova, revelou o segredo da gestão da CDU em Carnide: “São momentos como este que nos obrigam a pensar na jornada que colectivamente temos vindo a construir. De lá para cá, não têm sido poucas as dificuldades, mas é com orgulho que posso assegurar que fomos capazes de transformar, porque trabalhamos em equipa e porque estamos conscientes que só marcamos ‘golos’ porque estamos juntos”.
 
O mandatário afirmou que a força da gestão da CDU baseia-se nestas características colectivas do projecto da CDU e na forma de fazer política para servir as populações e a mobilizar na defesa dos seus interesses. “Somos parte de um projecto maior que cada um de nós”.
 
A intervenção seguinte foi de Maria Vilar, candidata da CDU e actual presidente da Assembleia de Freguesia de Carnide. Esta mulher cuja história se confunde com o muito trabalho feito pela CDU na freguesia, escolheu uma intervenção poética para sublinhar que a política é também fruto dos afectos e que o trabalho feito permite-nos participar independentemente da idade: os sonhos e ambições são jovens e persistem para além da nossa idade. “Não me derrota a tristeza e não me oprime a saudade e é por isso que estou tão contente e que concluo sem demora que é a menina que está por dentro que alegra a mulher de fora”, disse Maria Vilar.
 
 
Os trabalhadores são os nossos super-heróis
 
O penúltimo orador foi Fábio Sousa, candidato a Presidente da Junta de Freguesia de Carnide, responsabilidade que assume actualmente, e que fez o balanço do trabalho realizado e assinalou os novos desafios e trabalhos de quem vive a freguesia em tempos difíceis de pandemia.
 
“Nos últimos quatro anos, reforçou-se a máxima que viver em Carnide é saudável”, garantiu. Carnide foi das primeiras freguesias em Lisboa a receber a distinção de Eco-Freguesia XXI. Um reconhecimento de um trabalho ímpar feito em termos ambientais.
 
Mas estes últimos quatro anos de trabalho não ficaram por aqui: “Houve um reforço da qualidade de vida dos bairros locais. O bairro da Horta Nova viu os seus prédios novamente cuidados. Efeito da pressão exercida pelos grupos comunitários, pelas associações e eleitos da CDU sobre a CML. No Padre Cruz, o maior bairro municipal da Península Ibérica, o trabalho continua a acontecer, dia após dia, as famílias continuam a mudar-se das alvenarias para habitações condignas que garantem uma maior qualidade de vida nos cerca de 200 novos lares, que em quatro anos, foram entregues à comunidade local.”
 
No seu trabalho, a Junta de Freguesia continuar a bater-se pelos interesses da população, opondo-se a medidas incorrectas do governo, com o silêncio da CML, como foi o caso da desactivação da esquadra da PSP de Carnide. “Mesmo depois de assinada uma petição por mais de 4 mil pessoas, a devolução da única esquadra da PSP no centro histórico mantém-se como uma das maiores preocupações dos eleitos da CDU, para que se assegure o policiamento de proximidade.”
 
O actual presidente da Junta e candidato da CDU não deixou de assinalar o trabalho feito durante a difícil época pandémica em que vivemos. “A saúde está no topo das nossas prioridades, perante o desafio colocado pela pandemia. Os eleitos da CDU, sempre, lado a lado, com os trabalhadores da Junta, desdobraram-se em iniciativas para diminuir os impactos provocados pelo confinamento. Para que todos ficassem em casa foram criadas equipas que faziam as compras nas mercearias de bairro e farmácias. Foram feitas inúmeras idas aos CTT, para que fossem feitos os levantamentos de reformas. Foram colocados jovens à conversa com 1.500 idosos, em situação de isolamento, garantindo a monitorização do estado de saúde de cada um deles. Equipas multidisciplinares que ainda hoje asseguram a melhor articulação pela saúde na nossa comunidade.
 
Não obstante defendermos que o governo tem a responsabilidade de garantir a igualdade nas condições de educação, a Junta disponibilizou mais de 200 computadores para que os jovens não perdessem a possibilidade de seguir as aulas online.”, enumerou Fábio.
 
Apesar da Junta considerar que o governo deveria ser mais activo no campo social e económico durante a pandemia nunca baixou os braços. “Foi isentado o comércio local da totalidade do pagamento das taxas. Desde o primeiro período do confinamento, mantém-se disponível a despensa comunitária de Carnide, um ponto de troca de bens essenciais. Uma despensa que hoje é reposta duas vezes por dia”.
 
Como em qualquer lugar onde a CDU tem responsabilidades, os trabalhadores são reconhecidos como factor fundamental, ainda mais nestes tempos difíceis.
 
“Foi nesta altura que disseram presente os nossos heróis sem capa: os trabalhadores da Junta de Freguesia de Carnide”, lembrou. Foi sob fortes aplausos que Fábio Sousa concluiu o seu agradecimento aos trabalhadores da freguesia: “ pela vossa coragem de fazer diferente, pela determinação de ir cada vez mais longe, pelo vosso profissionalismo, pelo vosso envolvimento e vossa dedicação – o nosso muito obrigado.”
 
O candidato relembrou que Carnide ganhou quatro projectos do orçamento participativo de Lisboa no últimos anos: a Casa de Artes de Carnide, o Parque Infantil da Horta Nova, o Barracão e o Polo Cultural de Carnide, mas que estes equipamentos de qualidade que vão estar nas ruas da freguesia não vão fazer baixar os braços os eleitos da CDU e a população de Carnide.
“Esta é a Carnide que um dia sonhamos e queremos continuar a construir. Uma Carnide que continuaremos a lutar para que todas as famílias tenham direito a uma habitação condigna. Uma Carnide que não deixará de lutar para que as suas crianças e jovens tenham um futuro melhor.”
 
Para tudo isso, Fábio Sousa convida todos os carnidenses a participar na construção do programa e no trabalho de um novo mandato autárquico.
 
 
A CDU, a força de todos
 
A última intervenção foi de João Ferreira, mostrando as razões porque Carnide pode ser um exemplo para mais freguesias e para a cidade de Lisboa. A longevidade da CDU à frente da freguesia deve-se à qualidade do trabalho executado, mas sobretudo devido “a uma ideia que acompanhou todo este trabalho: é sempre possível fazer melhor. É sempre possível melhorar ainda mais a vida das pessoas que trabalham e vivem em Carnide. Se analisarmos aquilo que o Fábio foi dizendo sobre o muito que foi feito antes da pandemia, durante esta e depois dela, durante esse tempo a CDU não mudou as suas características essenciais mas pode-se dizer que Carnide, durante todos esses mandatos mudou e mudou muito.”, explicou o vereador do PCP.
A freguesia é muito diversificada do ponto de vista social, mas todas pessoas reconhecem o trabalho desenvolvido. “Tal modo isso é assim que alguns andam tantos anos sem ganhar a freguesia que precisam de ir buscar alguém à CDU para julgarem que desta vez é que é. Mas há uma coisa que eles não percebem, é que aqui a força de cada um é a força de todos. A força da CDU é este sentimento que juntos somos mais fortes.”
 
E João Ferreira explicou, por sua vez, este segredo da gestão autárquica de Carnide: “Sabemos que não está tudo bem em Carnide, mesmo a junta de freguesia da CDU não conseguiu fazer tudo. É também por isso que queremos continuar o trabalho. E há muitas coisas que não são responsabilidade da Junta, são responsabilidade da CML e de outros níveis do governo. Mas se se olhar com honestidade para o trabalho feito, tem que se reconhecer a diferença em relação ao resto da cidade: A situação dos bairros municipais em Carnide é muito melhor que nos bairros municipais de freguesias vizinhas.
 
Não é tudo perfeito no espaço público, mas comparem com o que foi feito com a freguesia vizinha do Lumiar, em Carnide as coisas estão muito melhores.
 
Não é tudo perfeito no acesso à cultura, ao desporto, no apoio ao movimento associativo e popular, mas comparem o que foi feito com qualquer uma das outras 23 freguesias de Lisboa. Nenhuma delas se aproxima do número de associações e colectividades que existem na freguesia de Carnide.”
 
O candidato da CDU à presidência da CML concluiu que não só Carnide precisa de mais mandatos da CDU, como a cidade de Lisboa precisa de mais exemplos como Carnide.
 
“É preciso mais Carnide na cidade de Lisboa. Não para apagar as características únicas desta freguesia, mas para aproveitar o que de melhor se faz aqui como um exemplo para o resto da cidade.”
PARTILHAR